cadastre-se
sair
perfil

Artigos

photo
Endeavor Brasil Você já ouviu falar em economia criativa?

  • 2



Esta nova maneira de encarar os negócios presentes em áreas como moda e cinema promete revolucionar o mercado de startups.

Startups são geralmente associadas ao mercado digital. Mas você sabia que também é possível criar um negócio em um contexto totalmente diferente? Moda, artes e cinema, por exemplo, são áreas que guardam inúmeras oportunidades. Tradicionalmente presentes no nosso dia-a-dia, elas agora fazem parte do universo das startups, através da economia criativa.

Estabelecido sobre oito pilares – arquitetura, design, artes, moda, cinema, audiovisual, literatura e artes cênicas –, segundo o conceito original do inglês John Howkins, este nicho pode ser definido como uma forma de transformar criatividade em resultado e, mais que isso, de pensar as relações em comunidade. É um novo olhar sobre o empreendedorismo, que pede multidisciplinaridade por parte do empreendedor, atenção a novas profissões e tem a economia colaborativa como seu carro-chefe.

“Com informação e novas tecnologias, tudo se abriu para que as pessoas trabalhassem com essa visão no Brasil”, afirma Luciana Guilherme, diretora de Empreendedorismo, Gestão e Inovação da Secretaria de Economia Criativa do MinC, criada no início de 2011. Recentemente, a situação melhorou muito com o desenvolvimento econômico do país. “Poucos têm a riqueza que temos para empreender”, ressalta.

Com o surgimento de novas oportunidades, torna-se latente a necessidade de conceber ideias fora do lugar-comum. O empreendedor passa então a pensar em modelos inovadores, com novos processos e novas tecnologias, valorizando o setor criativo em que atua, muitas vezes menosprezado por não encerrar uma formação voltada para a gestão de negócios. Esse é o caminho da economia criativa, que procura revelar modelos de negócios inovadores em outras áreas.

Além do olhar amplo para inovações, é importante atentar à inovação aberta, que faz girar a economia colaborativa, modus operandi da economia criativa, destaca o empreendedor Tomás de Lara, co-fundador da incubadora Engage. Isto significa abrir o desenvolvimento da empresa para o público, permitindo que as pessoas opinem e trabalhem junto dela em um sistema de troca de valor. “Assim, se estabelece a relação interdependente, em que, ao concordar com o seu valor, um sujeito ajuda o outro a desenvolver o produto”, explica Tomás.

Tudo isso é facilitado hoje em dia, em um ambiente no qual o empreendedor, por meio de sua rede e da tecnologia, pode chegar a um pequeno grupo interessado em um assunto específico e propor um negócio baseado nesse tipo de colaboração. “A economia criativa tem a cultura da economia colaborativa”, define o empreendedor.

Atualmente, este é o setor que emprega mais jovens, com os mais altos salários, diz Isabella Prata, fundadora da Escola São Paulo, que concentra seus cursos neste nicho. E o próprio mercado cria a necessidade de capacitação para quem quer mergulhar nele. “No setor criativo, se você não tiver três ferramentas de gestão – de pessoas, financeira e de marcas – seu negócio não vai durar muito tempo”, alerta.

Além disso, quando se trata de economia criativa, o trabalho deve ser encarado de forma totalmente diferente do que acontece nas empresas tradicionais. “Um dos segredos é acreditar que sua ideia pode ser interessante para outras pessoas. É pular da cama todos os dias, no primeiro momento em que você abre os olhos, com a faca nos dentes, brilho nos olhos, e botar pra fazer. O objetivo não é mais quantas horas estamos trabalhando, mas o quanto estamos produzindo nas horas que trabalhamos”, completa Isabella.

Breve histórico

O empreendedorismo passou por transformações nas últimas décadas. Há vinte anos, era comum empreender por necessidade: com menos ofertas de emprego, montava-se o próprio negócio para subsistência. Hoje, as oportunidades são cada vez maiores e a economia criativa representa 7% do PIB global. De acordo com um estudo do GEM (Global Entrepreneurship Monitor) em 2010, para cada empreendedor por necessidade existem 2,1 empreendedores por oportunidade.

O assunto surgiu na Austrália, nos anos 1990, foi para a Inglaterra. Com o livro The Creative Economy: How People Make Money from Ideas (A economia criativa: como as pessoas podem ganhar dinheiro com ideias, em tradução livre), o britânico John Howkins definiu pela primeira vez os seus pilares de atuação. Recentemente, a economia criativa passou a ser oficialmente discutida no Brasil com a formação da Secretaria da Economia Criativa (integrante do MinC), inaugurada no início de 2011.

A partir de então, entraram em cena representantes do mercado financeiro interessados em contribuir com a evolução do conceito, formando diversos grupos de estudo e abrindo espaço para essas atividades. A tendência é que esse setor seja cada vez mais explorado e difundido no país. 

 

Por Vinícius Victorino, da equipe de Cultura Empreendedora - Endeavor Brasil, com a colaboração de Carolina Pezzoni.

 

Saiba mais sobre:
John Howkins e o livro "The Creative Economy"
Secretaria de Economia Criativa
Incubadora Engage

 

 
 
 
 
 
 
 

COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário

100 Caracteres
Enviar

Selecione a(s) categoria(s) que deseja ler:



Categorias